Sentido

Traduzindo a África Queer

Garotas africano 747754

Com o tempo, fui percebendo que muitas dessas mensagens eram de brasileiras enganadas por egípcios na internet. Eu vou explicar isso melhor. Toda vez que eu lia uma frase das histórias que elas me contavam, eu sentia um frio na barriga e ponderava muito antes de dar qualquer resposta. Em todas as vezes, tentava manter a neutralidade, respondendo diretamente ao que me perguntavam, sem fazer qualquer julgamento de valores. Eu queria saber se encontrava algo a respeito de mulheres que se envolviam virtualmente com egípcios. Tudo isso porque acreditarem em um conto de fadas. Nas maioria das histórias que li, havia alguns pontos em comum. Em entrevista ao jornal El Paísa paulistana de 29 anos contou que foi humilhada e passou fome.

Neste ponto, a autora retoma a pergunta realizada no final do primeiro capítulo: Por que a mulher é o Outro? É impossível, vê-se por esse exemplo, encarar a mulher unicamente quanto força produtora; ela é para o homem uma parceira sexual, uma reprodutora, um objeto erótico, um Outro atravessadamente do qual ele se busca a si próprio. Tal perspectiva é apresentada e discutida nas partes posteriores do livro. Parte II: História Nas civilizações mais primitivas, cuja história ainda possui controvérsias antropológicas, a mulher desempenhava papel estreitamente relacionado à maternidade.

O motivo? As suspeitas dele sobre sua virgindade. Ela se casou com Ibrahim, depositando toda a sua fé no amor e no apoio dele. Me senti abandonada. Era como se fosse uma criminosa aguardando julgamento.

O médico me mandou tirar a roupa. Por que eu preciso trabalhar isso. Totalidade mês, ela faz exames de vida. Mas, assim quanto essa gabinete garante benefícios, também trouxe problemas.

Leave a Reply